sábado, 3 de maio de 2008

Sobre a carta a Miguel Sousa Tavares

No dia 20 de Março de 2008 foi publicada neste blogue uma carta minha intitulada "Sobre os professores - a Miguel Sousa Tavares". Em relação a essa carta, sinto-me no dever de fazer um esclarecimento.

Referi que: "É do conhecimento público que o Sr. Miguel Sousa Tavares considerou os professores "os inúteis mais bem pagos deste país". Quando escrevi "É do conhecimento público (...)", fundamentei-me naquilo que ouvi vários colegas dizerem, e não apenas da minha escola, e ainda naquilo que li na Internet, nomeadamente no blogue www.ramiromarques.blogspot.com, do qual imprimi um texto que tenho em minha posse.

Vivo num país democrático e julgo ter o direito de manifestar a minha opinião sobre aquilo que considero, ou não, correcto. Esse direito tenho-o.


Já o direito de tornar públicas declarações que pudessem ter sido proferidas ou escritas pelo próprio, sem que eu própria as tivesse ouvido ou lido, esse direito não o tenho. Efectivamente, não ouvi o comentador Miguel Sousa Tavares proferir sobre os professores a frase "os inúteis mais bem pagos deste país", nem li a mesma frase escrita pelo jornalista Miguel Sousa Tavares - e que o próprio desmente terminantemente alguma vez ter dito, escrito ou sequer insinuado.


Admito que cometi dois erros. O primeiro foi ter-me fundamentado no que me transmitiram e no que li na Internet. Como pessoa de boa fé que sou, acreditei que tal fosse verdade, tanto mais que, por esses dias, alguns jornalistas escreveram sobre os professores comentários nada abonatórios, que me indignaram. O segundo foi ter dado importância ao que ouvi e li. Considero-me uma pessoa útil à sociedade no exercício da minha profissão.


Exerço-a por vocação e com paixão. E, "Quem não deve não teme", por isso nem sequer me devia ter indignado. Mas as emoções, em determinadas circunstâncias, são difíceis de controlar." Errare humanum est."


Reconheço, pois, que me precipitei, que errei, e, como cidadã responsável de um país democrático, tenho também deveres, por isso, esclarecida que está a situação, quero retractar-me e pedir desculpa a Miguel Sousa Tavares. Assim, retiro tudo o que disse na minha primeira carta, e que o possa ter lesado na honra e bom nome.


Ana Maria Gomes
Escola Secundária de Barcelos

3 comentários:

bárbara disse...

Não li a sua carta dirigida ao comentador Miguel Sousa Tavares, nem tão pouco tive oportunidade de saber a reacção do mesmo a esta questão.
Contudo, e apesar da falta de conhecimentos acerca da situação, venho por este meio felicitar a corgagem de uma cidadã, Ana Maria Gomes, de se indignar e fazê-lo publicamente, em honra aos seus princípios.
Elogio, ainda mais, a humildade com que assume os seus prováveis erros, objectiva e hosnestamente.

Bárbara Sepúlveda.

Anónimo disse...

Só tive conhecimento da sua carta, há cerca de um dia,mas pelos vistos isto já não é recente, mesmo assim tentei averiguar o que o Miguel Sousa Tavares (MST), pudesse ter dito sobre os professores, realmente não encontrei nada, e ainda tentei falar com uns professores amigos que também não tinham conhecimento de tal facto, não sou professora mas sou estudante, o que não é relevante para o caso. Dou valor por admitir os seus erros, mas na carta inicial foi de muito mau tom ter utilizado a Sophia de Mello Breyner Andersen numa perspectiva de atingir o MST, tendo ele dito o que quer que seja. Em vez de ter demonstrado a sua revolta e indignidade, limitou-se a "baixar" ao nível de MST, nível este que por parte dele, pelos vistos nunca foi atingido.

Anónimo disse...

Lamentável...