quinta-feira, 13 de março de 2008

Organizando Ideias

Prioridades em matéria de contestação, por ordem decrescente de gravidade, mesmo se não for por ordem sequencial de calendário.

  • O Estatuto da Carreira Docente e a sua forma de garrotar horizontalmente a progressão.
  • A municipalização das políticas educativas (que vou subtilmente distinguir de uma verdadeira territorialização das ditas).
  • O modelo de avaliação que ou se transforma num pesadelo burocrático ou numa piedosa ficção para auto-satisfação de alguns fanáticos de grelhas de observação e registo em Excel.

O facto desta última questão ser a que está agora em cima da mesa, mais à vista, não deve ocultar todo o resto.

5 comentários:

Anónimo disse...

Continuem, continuem, para que todo o País possa confirmar aquilo de que já se suspeitava, a falta de nível a todos os títulos) dos professores que alinham (e só esses) nesta chuchadeira.
Com os elevados gastos na educação (em percentagem do PIB) e os péssimos resultados obtidos, querem que o regabofe e o desbarato prossiga.....um bocadinho, só um bocadinho, de bom senso não lhes ficava mal!

Apache disse...

Este anónimo é dos que acha que repetir uma mentira muitas vezes faz dela uma verdade.
“Education at a glance” – Vá ler as estatísticas, já que gosta tanto delas.

maria lopes disse...

Os comentários de Paulo Guinote fazem-me esperar que a sua presença no CCAP seja digna de um representante dos professores. E que não se deixará embalar pelo "penacho" e pelo "poder". Os professores agradecerão!

maria lopes disse...

Infelizmente, tenho que corrigir o meu comentário: não é Paulo Guinote que estará no CCAP mas Ludgero Leote. Peço desculpa pela confusão dos nomes...

Antonio-STR disse...

Apache:
Este não é um anónino qualquer. É a alma penada do Dr. Gooebels!